Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Dicas’ Category

Mega-hiper-mercados abarrotados de produtos diversos, marcas mil, várias opções, corredores gigantescos… dá até pra se perder lá dentro.

Foi a partir dos anos 50 que os supermercados passaram a substituir feiras e mercearias país afora. Enlatados, congelados, empacotados, pratos semiprontos e processados surgiram para agilizar o preparo da refeição e dar conta de alimentar a população.

Mas o que realmente é saudável? O que não faz mal para o organismo?

Dando continuidade à sessão de dicas, resolvi colocar aqui um resuminho da reportagem,de mesmo título do post, da Revista Vida Simples, edição 76.

1 Coma comida (ou evite o que a sua bisavó não reconheceria como alimento)

Trocando em miúdos: é muito mais interessante para sua saúde ingerir alimentos frescos e integrais, a boa e velha comidinha caseira, do que processados e industrializados. Hoje existe uma penca de outras substâncias comestíveis com aparência de comida, como explica Michael Pollan em seu livro Em Defesa da Comida. A preferência de consumo migrou drasticamente nos últimos anos dos produtos encontrados na natureza, como um singelo pé de alface, uma peça de alcatra e um suco de laranja, para os práticos alimentos embalados – o que ele chama, não sem polêmica, de comida de imitação. Entram nessa categoria lasanhas, tortas e sobremesas prontas, sucos e sopas em pó, nuggets e hambúrgueres que são uma moleza de preparar.

2 Evite pôr no carrinho produtos com ingredientes difíceis de pronunciar

A lista de ingredientes de um produto espichou com a industrialização. Pegue um pão, por exemplo, que tem na sua composição básica farinha, água e sal. Para durar mais e ficar bonito, ter uma cor apetitosa e se manter cheiroso e macio são acrescentados corantes, acidulantes, edulcorantes, emulsificantes e outros “antes”. Cozinhe sempre que puder. Se não comer em casa, dê preferência a restaurantes que servem comida mais caseira.

3 Elabore uma estratégia para facilitar suas compras

O designer Mauro Minniti é um superespecialista em supermercados. Sabe como poucos as estratégias das lojas para vender mais produtos. A primeira dica dele é esta: crie o hábito de fazer suas compras sempre nos mesmos lugares. Faça uma lista de compras específica para suas necessidades. Depois que você compra tudo o que necessita, vem o momento do deleite – e aí é bom prestar atenção para não exagerar. O resultado final desta operação: economia e tempo. Está mais do que comprovado que, quanto mais tempo você ficar dentro da loja procurando produtos, mais você irá consumir.

4 Prefira sempre os corredores periféricos do supermercado

A disposição dos supermercados de um modo geral é bem parecida: os produtos alimentícios industrializados ficam nos corredores centrais da loja, enquanto os alimentos mais frescos – hortifrutigranjeiros, laticínios, carnes e peixes, ficam nas laterais e no fundo.

5 Evite produtos que aleguem vantagens sensacionalistas para sua saúde

“Preste atenção no rótulo: observe se o produto tem quantidades controladas de açúcar, sal e calorias – porque de nada adianta uma bolacha ter muito açúcar ou gordura, por exemplo, e ser enriquecido com alguma vitamina”, diz Cynthia Antonaccio, nutricionista. O recado é o seguinte: você nem precisa comer alimentos enriquecidos artificialmente se tem uma alimentação naturalmente mais equilibrada, variada e rica.

6 Pague mais, coma menos (e com muito mais prazer)

Alimentos mais bem cuidados e produzidos de forma menos intensa não conseguem um preço tão competitivo e são normalmente mais caros, vide o exemplo dos orgânicos. A idéia aqui é trocar a quantidade de alimentos pela qualidade. Uma das populações mais longevas e saudáveis do mundo, o povo de Okinawa, no Japão, pratica um princípio que se chama hara hachi bu: comer até estar 80% saciado.

7 Coma como os franceses. Ou os italianos. Ou os japoneses

Ou ainda os gregos, os árabes, os indianos. Quando a alimentação segue uma tradição cultural, tende a ser naturalmente mais saudável. Isso porque foi elaborada levando em conta os produtos locais, mais frescos. Tem mais. Dietas tradicionais vêm temperadas com hábitos e rituais ancestrais de consumo, que levam em conta, sobretudo, comer com fruição, sentar ao redor da mesa e partilhar com familiares e amigos uma refeição.

“Se a dieta ocidental se preocupa com a praticidade e o shelf life, o tempo de vida do alimento, para ele durar mais na despensa, eu estou mais preocupada com o meu tempo de vida”, diz Cenia Salles, líder do Movimento Slow Food de São Paulo. Uma alimentação, esta sim, longa vida.

Anúncios

Read Full Post »

Comendo fora

Vai comer fora? Está de viagem? Veja as dicas para essas situações retiradas da Revista Vida Simples, de maio.

Vá a um bom restaurante
Escolha um dia para comer em um restaurante chique. Leve 100 reais, dólares, euros (ou a moeda que for) a mais do que costuma gastar em uma refeição para se dar esse luxo. “Incorpore esses 100 ao preço da passagem – e sua extravagância acaba de virar um artifício contábil”, diz Ricardo Freire, autor do livro 100 Dicas para Viajar Melhor.

Leve um tempero na mala
Nem sempre a comida do avião – ou até do próprio destino – é bem temperada. Uma dica é levar um vidrinho de molho de pimenta na bagagem de mão. Sempre ajuda a melhorar o sabor.

Pesquise a gastronomia
Procure saber quais as comidas típicas do lugar e os endereços para prová-las. “Sempre que viajo vou disposta a provar tudo, mesmo que seja algo que não gosto”, diz a viajante gastronômica Alessandra Blanco, autora do blog Comidinhas.

Esqueça a balança
“Nas férias eu nunca penso que posso engordar. É como se a gente tivesse licença para fazer e comer o que quiser”, afirma Alessandra, que, quando está na França, saboreia um pain au chocolat todos os dias. Coma o que tiver vontade: nunca se sabe quando você vai voltar

Coma na rua
Em muitos lugares, as barracas de rua oferecem delícias, seja um acarajé na Bahia, seja um cachorro-quente em Nova York. Valem por uma refeição e ainda saem mais em conta que em restaurantes.

Almoce em horários alternativos
Para evitar ter que passar um tempo perdido na fila de espera de um restaurante, programe-se para comer antes ou depois que o movimento já tenha diminuído. “Em viagens, almoco às 3 ou janto às 7, para ter mais tranquilidade”, anota a escritora Danuza Leão no livro Fazendo as Malas.

Read Full Post »